Menu

A maioria das compras na Black Friday foi realizada através de dispositivos móveis

Dezembro 4, 2015 - Artigos

mobile-info-block-alerts-a60b44d37dcd897572f2c6cfa00d4d863ad728ac899e21e5a3d5faecbc6de7a7

Compreendendo o período que vai da quinta-feira anterior à Black Friday (26/11) até a Cyber Monday (30/11) foi constatado durante esse período foram aplicados 3,02 bilhões no e-commerce brasileiro. Em relação a 2014, houve um aumento de 44%, que totalizaram 5,8 milhões de pedidos, com um volume de 24% maior que em 2014. De acordo com o diretor executivo da E-bit, André Ricardo Dias, ainda que o país estivesse em um cenário econômico desfavorável, as vendas da Black Friday de 2015 foram um sucesso, só na sexta-feira o gato médio por pessoa foi de R$ 980.

Algo que foi ressaltado pelo executivo foi o fato de as pessoas terem utilizados os dispositivos móveis para realizar as compras na Black Friday, totalizando 11% das vendas através desses dispositivos mobiles, tendo dias em que esse percentual foi de 17%. Ele comentou ainda que as pessoas que não conseguiram comprar na Black Friday, aproveitaram para comprar no Cyber Monday, que surgiu com o intuito de aumentar as vendas dos produtos eletrônicos.

De acordo com a ClearSale, que tomou como base apenas o movimento das lojas cadastradas pela Busca Descontoa, essa segunda-feira de descontos movimentou R$ 196,19 milhões, com   518,962 mil pedidos. E, em relação as fraudes foram evitadas R$ 1.369.300,35 em perdas. De acordo com Juliano Motta, diretor geral da CyberMondayBrasil.com.br, ainda que a Cyber Monday não tenha tanta tradição no Brasil como a Black Friday, foi observado que houve um esforço maior dos varejistas em proporcionar uma boa experiência de compra para os consumidores.

Para o gerente de inteligência estatística da ClearSale, Omar Jarouche, “A Cyber Monday ainda não é vista como uma big date. Porém, a tendência é que esse cenário mude e nos próximos três anos, a Cyber Monday atinja o patamar da Black Friday, assim como nos Estados Unidos”, afirma.

Fonte: IDG Now